top of page

MAPEAMENTO DIGITAL DA PELE

Dermatoscópio digital pode ser ferramenta importante no diagnóstico precoce de câncer de pele e, com isso, diminuir os índices de cicatrizes em tratamentos de diversos gêneros de câncer de pele

Dra. Ingrid Castilho CRM 28777 PR | RQE 1353


Muitas pessoas acham que o câncer de pele é uma doença simples e que se resolve com tratamentos à base de cremes e medicamentos tópicos. O fato é que 30% de todos os diagnósticos de câncer do mundo são de pele, destes, pelo menos 3% são do tipo melanoma, um dos cânceres mais letais à vida. Felizmente os tipos mais comuns como o carcinoma basocelular e espinocelular, podem ser completamente tratados quando o diagnóstico é precoce. Mas naqueles casos mais avançados, há a necessidade de tratamentos agressivos, muitas vezes cirúrgicos, que podem determinar deformidades e cicatrizes permanentes. É por isso que o diagnóstico precoce do câncer de pele é extremamente importante e pode não apenas salvar vidas como também fazer com que os tratamentos e intervenções cirúrgicas (quando necessárias) sejam menos traumáticas e promovam um acabamento estético mais agradável.


Nesse sentido, a médica Ingrid Castilho, dermatologista pós graduada em oncologia dermatológica e em dermatoscopia digital no Hospital Albert Einstein, está utilizando em Maringá a tecnologia do dermatoscópio digital, uma potente ferramenta no diagnóstico de câncer de pele por imagem, um exame não-invasivo, indolor e feito no conforto de uma poltrona em consultório.


Através do dermatoscópio digital, a Dra Ingrid Castilho faz um mapeamento digital de toda a pele do paciente. O que seria esse mapeamento digital? Na prática, o mapeamento corporal total consiste na documentação fotográfica das lesões pigmentadas no corpo inteiro. Em seguida, as lesões suspeitas são selecionadas, submetidas à dermatoscopia digital que é a ampliação das imagens captadas em até 140 vezes permitindo uma análise detalhada de cada lesão. O aparelho utilizado é o Fotofinder®, desenvolvido na Alemanha. Todas as imagens são armazenadas em um sofisticado software, o que possibilita o acompanhamento em intervalos regulares. Dessa forma, o surgimento de pintas novas ou a modificação de pintas já existentes, que podem indicar a presença de um câncer, podem ser identificadas e tratadas mais rapidamente.


A Dra Ingrid explica que o acompanhamento de pintas e manchas através da dermatoscopia digital é de extrema importância no diagnóstico do câncer de pele e também no caso das pessoas que planejam fazer tratamentos estéticos.


“Quando uma pessoa faz um tratamento a laser, por exemplo, ele destrói o pigmento da lesão e a mancha sai, porém se era um câncer, ele pode continuar se desenvolvendo na profundidade da pele dificultando o diagnóstico. Por isso, antes de tratar as manchas com qualquer tipo de laser, é importante se certificar de que não há um câncer no local”, explica a Dra.


Muitos de seus pacientes são encaminhados por profissionais dermatologistas que suspeitam de determinados tipos de manchas ou pintas e direcionam à Dra Ingrid para confirmar o caráter da lesão antes de submetê-la a um tratamento de remoção ou clareamento.


“Ontem uma dermatologista me encaminhou uma paciente com uma pintinha pequena no nariz. Analisei a imagem do Fotofinder® e verifiquei que a lesão tinha alto risco de ser câncer. Imediatamente, aqui mesmo na clínica, fiz uma pequena biópsia que confirmou ser um câncer do tipo basocelular”. A Dra explica ainda que o diagnóstico precoce é muito importante porque a remoção cirúrgica do câncer em áreas faciais delicadas e expostas como o nariz podem deixar cicatrizes grandes e difíceis de reparar e, fazendo o diagnóstico precoce, é possível diminuir o tamanho e o aspecto inestético dessas cicatrizes.


Outro benefício do mapeamento corporal é a capacidade de acompanhamento da evolução de pintas e sinais de pele e também do aparecimento de novas lesões suspeitas. “Costumo fazer um exame físico bem detalhado e analiso todas as pintas que o paciente tiver. O software do Fotofinder® armazena estes dados e no futuro conseguimos comparar com precisão a evolução e aspecto dessas lesões, o que também é importante para o diagnóstico precoce de vários tipos de câncer de pele especialmente do melanoma”, conclui Dra Ingrid.


A detecção precoce faz toda a diferença no tratamento do melanoma. Se descoberta em estágio inicial, a doença tem mais de 90% de chance de cura.


PARA QUEM É INDICADO O MAPEAMENTO DIGITAL?

  • Pessoas com histórico pessoal ou familiar de melanoma;

  • Portadores da síndrome do nevo atípico (“pintas” com mais de 6mm de diâmetro, mais de duas cores e com bordas irregulares);

  • Indivíduos com mais de 50 nevos melanocíticos (“pintas” ou “sinais”);

  • Pele clara e histórico de queimaduras solares na infância e adolescência;

  • Pessoas preocupadas com pintas isoladas em função da aparência ou mudança recente das características da lesão.



bottom of page