top of page

Haddock 30 anos

No comando da cozin


ha do Haddock há quase 20 anos, o chef gourmet Eduardo Pinheiro nos revela sua história, origens, e seu tempero italiano como base de toda a gastronomia internacional presente nas festas do buffet

TEXTO VINÍCIUS LIMA FOTOS JOÃO PAULO SANTOS / ACERVO PITY MARCHESE


Eduardo Pinheiro é o filho mais velho dos 4 filhos que teve dona Vera, uma cozinheira de mão cheia até hoje lá na cidade de Mococa, interior de São Paulo. Eduardo era muito jovem quando começou a trabalhar com a mãe no restaurante da família, chamado Vera Masseria, tradicional em cozinha italiana. “Minha mãe é filha de italiano, meu avô veio criança para o Brasil, então eu fui criado desde pequeno em uma cozinha italiana, onde aprendi muito e até hoje minha mãe é minha grande inspiração na cozinha”, conta Eduardo.


Depois de trabalhar no restaurante de Dona Vera por alguns anos, Eduardo decidiu se aventurar em uma carreira solo em São Paulo capital, onde aos 28 anos de idade abriu um restaurante na Rua Pedroso Alvarenga, em Itaim Bibi. Após um ano de casa aberta, vendeu seu restaurante para o renomado chef Sergio Arno, hoje dono da rede La Pasta Gialla, que leva a gastronomia italiana para todo o Brasil.


Após vender seu restaurante, Eduardo continuou em São Paulo trabalhando diretamente para o Sergio, no mesmo restaurante que fora seu, outrora com o nome de Vera Masseria – como uma filial do original em Mococa – em seguida com o nome Alimentare.


Sua experiência em São Paulo foi de 12 anos, a qual, para ele, foi definitiva para ditar os rumos de sua carreira: “Posso dizer que minhas duas grandes inspirações foram minha mãe e o Sergio Arno, com ela aprendi os segredos da cozinha italiana, com ele desenvolvi um lado profissional que somente quem passa por São Paulo pode compreender”, Explica Eduardo.


Mas o destino queria Eduardo em Maringá, trabalhando ao lado de seu grande amor, Pity Marchese, também natural de Mococa. Todavia se engana quem acha que foi o Haddock que o trouxe inicialmente para Maringá. Eduardo despediu-se de São Paulo para montar o Restaurante 17, o antigo restaurante de Ricardo Garcia, o ex-jogador de vôlei conhecido como Ricardinho, que ficava na Praça Manoel Ribas (a praça do Car Wash, como é conhecida), onde trabalhou desde antes da abertura das portas, participando de toda a montagem estrutural do estabelecimento. “Na época eu já namorava a Pity, mas por muito tempo ficamos vivendo uma rotina semelhante, de fins de semana e madrugadas muito trabalhosos, ela no Haddock e eu no 17, até que decidimos unir forças e fazer juntos o que mais gostamos”, diz Eduardo.


O casamento foi perfeito, literalmente. Pity à frente da administração e relacionamento com clientes, e Eduardo na cozinha fazendo o que sabe de melhor. Já são quase 20 anos dessa união que veio para ficar.


Após toda uma carreira consolidada pela cozinha italiana, Eduardo se viu, no Haddock, diante de cardápios internacionais, o que não foi um desafio para um chef experiente como ele. “Para atender aos diferentes tipos de eventos no Haddock, nossa gastronomia prima pela diversidade da culinária internacional, mas a base de todos os meus preparos está em minhas raízes italianas”, confessa Eduardo, que completa dizendo: “Minha gastronomia não é nada mirabolante, é básico eu diria, uma cozinha simples, de afeto, tradição e, claro, algumas peculiaridades que são minhas, mas o segredo mesmo está nos produtos de qualidade, pois 50% do sucesso na cozinha é do chef, e 50% está na qualidade dos insumos”.
















תגובות


bottom of page