top of page

Meu filho é autista, e agora?

Lidar com as diferenças deveria ser nato em todo ser humano, afinal, somos únicos, não é mesmo? É por isso que, enquanto pediatra, direciono toda minha atuação para crianças com transtornos de neurodesenvolvimento, principalmente o autismo, ajudando os pequenos e os pais a encontrarem juntos seu pleno potencial de desenvolvimento

Dra. Auri Vieira CRM 29388 PR | RQE 22949


A vida contemporânea trouxe diversos benefícios para o bem-estar, vida e cotidiano de todas as pessoas. Porém, junto dela vieram novas práticas e estilo de vida que têm aumentado, e muito, o diagnóstico de atrasos do neurodesenvolvimento, principalmente entre as crianças. A escassez de estímulos adequados promovido pela tecnologia e potencializado durante o período de reclusão da pandemia, tem levado muitas crianças ao meu consultório, com diferentes tipos de atrasos no desenvolvimento.


Quando falo em atrasos no desenvolvimento me refiro a um leque muito abrangente de “sintomas”, muitos dos quais são diagnosticados por observação clínica, uma vez que não existem exames ambulatoriais que façam tal diagnóstico. Falo de atrasos no desenvolvimento da fala, distúrbios alimentares, alteração de sono, e qualquer outro prejuízo no desenvolvimento psicomotor da criança, sendo o autismo a minha principal área de atuação.


O autismo, ou Transtorno do Espectro do Autismo, como o próprio nome denota, é um espectro onde podem se encaixar diferentes formas de manifestações dessa condição, sendo que cada pessoa, e cada criança, é afetada em intensidades diferentes, resultando em situações bem particulares. Por se tratar de um diagnóstico baseado em critérios clínicos, o diagnóstico do autismo pode não ser tão rápido, todavia, assim que uma criança entra em meu consultório, antes mesmo de consolidar um diagnóstico, nós vamos tratar de forma multidisciplinar e multiprofissional as queixas específicas dessa criança e pais, com profissionais como fonoaudiólogos, terapeutas ocupacionais, psicomotricista, psicólogo, educador físico, psicopedagogo, entre outros, de acordo com as demandas individuais de cada criança.


Parte fundamental nesta abordagem multidisciplinar e multiprofissional com que atuo é o acompanhamento. Nossa rede de profissionais estão constantemente se comunicando e trabalhando juntos em favor de cada paciente. Essa troca de informações é fundamental para potencializar os resultados, e devolver à criança e à família a possibilidade de uma vida mais independente, com maior fluidez e também oportunidades.


É por isso que gosto de frisar que, enquanto pediatra, meu trabalho não se restringe a avaliar e diagnosticar. Na forma como atuo, acabo me tornando uma mentora para a família em todas as fases da vida dessa criança, sendo que hoje tenho pacientes com até 21 anos de idade.


Se você é pai, mãe, ou participa da vida de qualquer criança e suspeita de qualquer atraso em seu desenvolvimento, procure ajuda profissional. O diagnóstico nas fases iniciais da vida é muito importante e pode fazer toda diferença na vida de uma pessoa.

Auri Alves Moura Vieira é médica, membro da Sociedade Brasileira de Pediatria, possui especialização em Psiquiatria e Saúde Mental da Infância e Adolescência, e em Transtorno do Espectro Autista. É autora do e-book educativo Meu Filho é Autista e Agora? e faz atendimento de pediatria em consultório com enfoque em Neurodesenvolvimento e autismo.




Comentários


bottom of page